0
0
0
0
0
ou copiar o link

Os pesquisadores concluíram que a qualidade de vida dos pacientes idosos ou dos pacientes com múltiplas comorbidades não é influenciada negativamente pela prostatectomia radical. Isto deve ser considerado quando se discute a indicação para a prostatectomia em pacientes mais velhos ou com comorbidades.

 

A qualidade de vida relacionada à saúde após a prostatectomia radical depende da idade do paciente, mas não das comorbidades

Parte inferior do formulário

O câncer de próstata localizado afeta os pacientes mais jovens e saudáveis, bem como os pacientes idosos com comorbidades.

O objetivo deste estudo, publicado no Urologic Oncology, foi avaliar o efeito da idade e das comorbidades no curso da qualidade de vida (QV) antes e após a prostatectomia radical retropúbica.

No geral, foram incluídos prospectivamente 374 pacientes com câncer de próstata localizado previstos para a prostatectomia radical. O questionário de QV QLQ-C30 (Organização Europeia para Pesquisa e Tratamento do Câncer) foi aplicado um dia antes da cirurgia e em 3, 6, 9 e 12 meses após a prostatectomia radical. As funções sexuais e urinárias não foram avaliadas nesta análise. Foram definidos os subgrupos de acordo com a idade ao diagnóstico (≤60, >60 to ≤70, e >70 anos) e com as comorbidades (escore de Charlson ≤2 e ≥3). Os subgrupos foram comparados pelo teste de Wilcoxon-Mann-Whitney, considerando que as mudanças em um grupo ao longo do tempo foram analisadas com o teste de Wilcoxon.

Em todos os grupos de pacientes, nenhuma mudança foi encontrada em 12 meses após a cirurgia, em comparação com os valores pré-operatórios na saúde global, bem como no funcionamento (função, físico, cognitivo e, social). O funcionamento emocional melhorou significativamente após a cirurgia, em comparação com o funcionamento pré-operatório. Os pacientes mais velhos (> 70 anos) tiveram melhor funcionamento emocional e social em comparação com pacientes mais jovens (≤60 anos). Os outros escores foram comparáveis ​​entre os pacientes mais velhos e mais jovens. A saúde global e física, a função, o cognitivo e o funcionamento social foram independentes do número de comorbidades, embora os pacientes com um score ≥ 3 de Charlson tiveram um desempenho pior em relação a fadiga e a dispneia.

Os pesquisadores concluíram que a qualidade de vida dos pacientes idosos ou dos pacientes com múltiplas comorbidades não é influenciada negativamente pela prostatectomia radical. Isto deve ser considerado quando se discute a indicação para a prostatectomia em pacientes mais velhos ou com comorbidades.